terça-feira, 18 de novembro de 2014

Do culto de um corpo perfeito para o culto de um corpo positivo e saudável

Eu estive atenta à polémica que a Victoria Secrets viu-se metida por causa da nova campanha publicitária, e pensei para comigo, de certeza que alguém do mundo da moda há-de dar uma resposta à altura. Pois foi, não tive que esperar muito para que isso acontecesse, a Calvin Klein e a Vogue USA ripostaram.

O que aconteceu com a Victoria Secrets foi um erro de marketing que os levou para um buzz negativo nas redes sociais. Isto porque há umas semanas atrás lançaram a sua nova campanha publicitária com o slogan "o corpo perfeito", usando só modelos "straight size" (tamanho 34 EU se possível...) da marca, ou seja, todas com o mesmo corpo, não havendo diversidade. Criando então a expectativa que qualquer mulher que não parecesse como uma modelo da VS não é perfeita. Pois a repercussão foi tão intensa que alteraram a sua campanha para o slogan "o corpo perfeito para todos". 


A primeira campanha da Victoria Secrets que deu aso à polêmica.

Entretanto, na semana passada a Calvin Klein lança a sua campanha publicitária "Perfectly Fit" e escolhem entre as suas modelos - Myla Dalbesio - uma modelo que é considerada no meio da indústria da moda como "inbetween size", ou seja, como ela própria diz num artigo da ELLE: "sou como uma das muitas raparigas que estão "in-betweens". Então não somos tão magras para sermos "straight size", (...) - e também não somos tão largas para sermos consideradas "plus-size". Ela sim, é o exemplo para muitas raparigas que vestem o tamanho acima dos 38EU ou inclusive que não tem ainda um lugar na moda. A Calvin Klein respondeu a Victoria Secrets dando esta oportunidade para haver diversidade de formas e tamanhos na sua campanha.


A modelo Myla Dalbesio para a campanha da Calvin Klein.

Mas, enquanto pensávamos que já não havia mais nenhuma resposta para a VS, a Vogue Americana veio afirmar-se de uma forma tão cheia de atitude positiva. Deu espaço a muitas modelos - Ashley Graham, Tara Lynn, Candice Huffine, Marquita Pring e Inga Eiriksdottir -  de afirmarem de forma positiva os seus corpos, dando vida à lingerie como o slogan "a melhor lingerie vem em todos os tamanhos" é lindo, não é? Pois eu sou de opinião que há que se abrir a indústria da moda para a diversidade de formas e tamanhos, há que deixarmos de parar de rotular a beleza. Pois neste momento, só a diversidade é que é a tela perfeita da nossa realidade. Espero, que através deste incentivo da Anna Wintour realmente a moda floresça para um caminho onde exista maior diversidade de tamanhos, onde transitamos do culto de um corpo perfeito para o culto de um corpo positivo e saudável.






Imagens da campanha feita pela Vogue Americana 

Qual é a vossa opinião sobre esta polêmica?

Sem comentários :

Enviar um comentário