domingo, 15 de maio de 2016

Não Romantizar comportamentos ABUSIVOS



Diariamente ouvimos várias coisas, muitas vezes até sentimos que podíamos ter dito algo no momento, mas por gostarmos de alguém e não querermos uma discussão, calamo-nos e acontece uma vez, duas vezes e por aí fora. Quando damos conta, estamos numa relação tóxica onde há uma assimetria de poder que leva a termos uma relação com traços abusivos que podem ter consequências emocionais bastante graves para nós. Precisamos de treinar a nossa inteligência emocional e começar a detectar pistas para não cairmos em uma relação tóxica e dizer basta. Vou dar no meu ponto de vista 3 pistas flagrantes que tem a tendência em evidenciar-se quando se está numa relação tóxica:

Frases Abusivas

"Eu não vivo sem ti", "tive um passado horrível, saí muito magoado, o nosso namoro é a minha última esperança", "eu quero ir contigo, não consigo sair sem ti", "faço tudo por ti" - este tipo de frases são um grande alerta, parecem fofas no início e muitas vezes podem ser camufladas de que estão a viver uma grande paixão. Mas não, este tipo de frase revela que estão com pessoas com tendência a serem dependentes emocionais. As relações são recíprocas, não é da tua responsabilidade a estabilidade emocional do outro... A prioridade na vida és tu, não podemos salvar ninguém. Cada um é responsável pela sua vida. Pode parecer egoísta, mas nestas situações onde há dependência excessiva, começa a ser um sufoco e peso estar com uma pessoa com este tipo de tendência... por isso também tens que te preservar.
"És uma burra, mas gosto de ti à mesma", "estás tão chata, que não consigo ficar perto de ti neste momento", "continuas a ser uma p****" - para as relações mais duradoiras, quando começam a chamarem-te por nomes depreciativos é um grande alerta que a vossa relação está tóxica. Primeiro, há que haver respeito mútuo, as discussões por mais acesas que sejam não podem escalar até ao ponto de se chamarem nomes. Segundo, se há um desacordo, não é atacando o outro que se resolve, é com diálogo e centrando-se nos factos, porque até podem chegar à conclusão que "concordam em discordar" e não faz mal, não tem que concordar com tudo e viva a diversidade de opiniões!

Chantagem emocional

"Faço tudo por ti, e tu não fazes nada por mim", "porquê que não respondes as minhas mensagens logo que envio para ti, não gostas de mim?", "só faço X, se fizeres Y", "agora é a tua vez de ficares com Z porque eu já fiquei ontem e anteontem, parece que já não queres saber de nós" - este tipo de discurso tem que ser analisado pelos dois, como isto começou?, o que podemos fazer para não ter um discurso assim dia-a-dia? É preciso dialogar, haver confiança e sinceridade. Muitas vezes isto acontece como se fosse uma bola de neve, cada dia que passa vai acumulando mais e mais. Por favor, não deixes acumular, não vai para a cama zangada. É mesmo importante resolver estes problemas de comunicação na hora. Respirar fundo, ir tomar um banho, pensar nas ideias e sentares de novo para perceber como podem ultrapassar isto.

Ciúme e posse

"Não podes sair sozinha, sem mim", "és minha e de mais ninguém, não te vou deixar nunca", "não sais de casa com mini-saia sem mim", "só danças comigo quando sairmos" - iniciar uma relação monogâmica não quer dizer que vais distanciar da tua vida social, muitas vezes acontece porque estás a conhecer a vida social da outra pessoa, mas não quer dizer que vais perder os teus amigos e amigas e que te afastes da tua vida social permanentemente. Continuar a ser dona de ti própria, do teu corpo e acções é importante para ter uma relação saudável. Casais que vigiam demasiado a vida do outro quer dizer que falta confiança na relação. É preciso saber que limites não devem ser ultrapassados, e isso só se faz com o diálogo. O ciúme nunca fez bem a ninguém, isso de romantizar que a pessoa quando sente ciúme é porque gosta, é mentira. Quem sente ciúme, sente-se inseguro na relação e por isso precisa de controlar o outro. Existem outros comportamentos saudáveis para mostrar que se gosta, e ciúme não é um deles. Quando se perde autonomia de onde queremos ir, com quem queremos ir, com medo de represálias, discussões e dramas, isso já é um abuso, porque de certa forma estás a anular-te e a não fazer o que te apetece.
"Vais sair para te encontrares com o outro, não é?", "não quero que ligues ou converses com o teu ex-namorado" - Se existir histórico de traição anterior, isso tem que ser trabalhado para não ser projectado na relação presente, como disse antes saber os limites de cada um. Tens que dialogar para saber o porquê da insegurança de não deixar relacionar com outras pessoas. Não faz sentido abdicares de uma amizade por insegurança, mas terás que demonstrar através das tuas acções que é só uma amizade e nada mais. Nada que esteja ligado com controle, ciúme e posse faz bem, tudo isto faz parte de uma bola de neve chamada insegurança que não queremos que exista para uma relação dar certo.

Lembra-te que uma relação saudável não magoa, não oprime, não assusta, não te culpa. Fica atenta a estes traços, só o diálogo e a confiança são fundamentais para a relação. 

Não subestimes a tua capacidade de ser feliz, e que podes sê-lo sozinha ou com outra pessoa que te valorize mais e que te respeita.

Estas relações tóxicas não estão cingidas só entre casais, também pode acontecer nas relações entre pais e filhos, irmãos, amigas/os, chefes e subordinados, colegas de faculdade ou trabalho. Está atenta também como relacionas-te com os outros.

(este é só um desabafo que faço ao lembrar-me de casos de amigas que já ajudei em situações abusivas... e sendo psicóloga, o que escrevi é com base na experiência interpessoal, profissional e muito estudo)


Sem comentários :

Enviar um comentário